Confronto entre manifestantes e policiais em Jerusalém deixa feridos

Confrontos entre manifestantes pró-Palestina e forças de segurança em Jerusalém nesta quinta-feira (22) deixaram ao menos oito feridos.

O protesto de palestinos ocorreu como uma contramanifestação para se opor a uma marcha organizada pelo movimento extremista judaico Lahava (leia mais no fim da reportagem).

A situação ficou mais tensa na entrada da Cidade Velha, na parte oriental de Jerusalém — setor palestino ocupado e anexado por Israel — onde a polícia proibiu o acesso a áreas frequentadas durante o Ramadã.

Barricadas em protestos de árabes palestinos em Jerusalém nesta quinta-feira (22) — Foto: Ahmad Gharabli/AFP

Barricadas em protestos de árabes palestinos em Jerusalém nesta quinta-feira (22) — Foto: Ahmad Gharabli/AFP

De acordo com a Cruz Vermelha, sete palestinos ficaram feridos. As forças de ordem israelenses também registraram um policial ferido no rosto pelo impacto de uma pedra.

“Vamos autorizar as manifestações em nome da liberdade de expressão, mas agiremos contra todas as formas de violência”, alertou a polícia israelense na noite de quinta-feira, dizendo em nota que deseja evitar confrontos entre as duas partes.

 

Barricadas em protestos de árabes palestinos em Jerusalém nesta quinta-feira (22) — Foto: Ahmad Gharabli/AFP

Barricadas em protestos de árabes palestinos em Jerusalém nesta quinta-feira (22) — Foto: Ahmad Gharabli/AFP

Tumulto e violência

 

Na quarta-feira também houve tumultos em Jerusalém. Vídeos veiculados na imprensa e nas redes sociais mostraram jovens judeus atacando funcionários árabes de lojas no centro de Jerusalém e jornalistas, gritando “morte aos árabes”.

Lahava é um grupo extremista que se opõe ao casamento entre pessoas de religiões diferentes e que prega contra a assimilação de outras culturas por judeus

Ao todo, 70 judeus e árabes foram detidos na quarta e quinta-feira. Destes, 64 tiveram sua prisão prolongada, segundo um comunicado da polícia israelense.