COM DRENAGEM PRONTA, ASFALTO E PONTE SERÃO AS FRENTES DE OBRAS NO NOVA CAMPO GRANDE

Em fase de conclusão da drenagem (93,11% da  prevista), nas próximas semanas o cenário no canteiro das obras de infraestrutura em execução no Nova Campo Grande vai mudar. À  medida que a rede de esgoto avança, a empreiteira responsável  pela obra acelera a pavimentação e o recapeamento programados para o bairro.

Quando a distribuidora de energia elétrica remanejar um trecho da rede, serão iniciadas as fundações da ponte de 40 metros sobre o Córrego Imbirussu, no prolongamento da Avenida 7. Será um novo acesso ao Polo Empresarial Oeste, onde está projetada uma ciclovia, que se estenderá por 3,2 quilômetros.

Segundo o secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, em função do período de chuva entre novembro e fevereiro, a expectativa é que as obras estejam concluídas em maio.

“Falta fazer  7,4 km da pavimentação prevista e 1,9 km do recapeamento projetado, incluindo o das duas das principais vias do bairro, as avenidas 2 e 7, que também serão duplicadas. O trecho do prolongamento da Avenida 7 no Polo Empresarial Oeste já está asfaltado, além das avenidas Solon Padilha e Anne Salim Saad (novos acessos a algumas indústrias do polo para os veículos que chegam pela Avenida Duque de Caxias)”.

Após 10 meses de andamento das obras, embora neste período a prioridade tenha sido a implantação da drenagem, quem chega ao bairro já tem um cenário diferente. Os dois acessos ao Nova Campo Grande receberam as benfeitorias. Foi recapeada a Rua Nilo Javari Barem (acesso pelo Serradinho) e foi completada a rotatória da Avenida Amaro Castro Lima, que está sendo recapeada e duplicada até se encontrar com a Avenida 7.

Numa extensão de 300 metros da segunda pista pavimentada, de acordo com o secretário de Infraestrutura, foi preciso uma solução complexa de drenagem para manter abaixo da superfície a água que literalmente brotava após 1 metro de perfuração. Foi necessário rebaixar o lençol freático,  construir dois  colchões de pedra, por onde a água vai escoar, colocar a tubulação da drenagem, além de um dreno nas duas margens por onde a enxurrada vai escoar até às bocas de lobo e daí para a drenagem. Sem esta solução, o asfalto, de acordo com os engenheiros da Sisep, não resistiria muito tempo por causa do impacto da chuva.

Parte destas águas pluviais vai escoar até o Córrego Imbirussu por 650 metros de tubulação instalados às margens da Avenida Duque de Caxias.
Também está quase pronta a rotatória da Amaro Castro Lima, Avenida 4 e das ruas 50 e 26. Será um ponto de conexão para quem vem e vai em direção ao Bairro Serradinho, por onde pode se chegar a Avenida Duque de Caxias, margeando o aeroporto.

O avanço das obras já está trazendo mudanças no bairro, segundo moradoras como dona Fábia Britez, que há 22 anos mora no local. “O andamento das obras já atraiu uma rede de supermercados, ampliando as opções de compras, além de ter se instalado uma lotérica “, revela .

Balanço das obras

Drenagem  prevista  -11,4 km
Executada – 10,7 km – 93,11%

Pavimentação prevista –  12,1 km
Executada – 4,7 km – 39,14%
Recapeamento previsto – 5,8 km
Executado -3,9 km – 68,24%

Ruas que serão pavimentadas

Etapa A – 18 ruas e avenidas: Avenida 4, Avenida 10, Avenida Amaro Castro Lima, Rua 24, Rua 46, Rua 47, Rua 48, Rua 49, Rua 50, Rua 51, Rua 52, Rua 53, Rua 54, Rua 55, Rua 56, Rua 60, Rua 62 e Rua 76.

Recapeamento: Avenida 10, Rua Antônio Vieira de Mello, Avenida Amaro Castro Lima, Rua 26, Rua 57, Rua 60, Rua Emilia Teodora de Souza, Rua Teófilo Otoni e Rua Nilo Javari Barem.

Etapa B

Pavimentação: Avenida 2, Avenida 7, Avenida Amaro Castro Lima, Avenida Solon Padilha e Anne Salim Saad.

Recapeamento: Avenida 2, Avenida 7 e Avenida Amaro Castro Lima.

• Ponte  de 40 metros sobre e o Córrego Imbirussu na Avenida 7 que será o novo acesso ao polo empresarial Oeste.