Cinco anos depois, legado da Rio 2016 tem obras inacabadas, projeções fracassadas e projetos no papel

O legado olímpico prometido para a cidade do Rio de Janeiro, após a realização da Olimpíada em 2016, tinha previsões empolgantes. Cinco anos depois, às vésperas dos Jogos de Tóquio, o projeto ainda deixa a desejar: tem obras inacabadas, projeções fracassadas e projetos ainda no papel.

Os problemas começam no gasto total para a realização da maior competição esportiva do mundo. O dossiê de candidatura da cidade para sediar a Rio 2016 previa um gasto total de R$ 28 bilhões, R$ 13 bilhões a menos que os R$ 41 bilhões usados até agora.

Ainda com pendências, o custo da Olimpíada ainda está em aberto e vai crescer. O G1 listou pontos altos e baixos do que a população carioca recebeu como legado. (Veja a lista a seguir)

LEIA TAMBÉM:

  • CUSTO MAIOR: Valor desembolsado para sediar Olimpíada foi maior que o previsto
  • VÍDEO: Veja os melhores momentos da cerimônia de abertura da Rio 2016
  • FOTOS: Galeria tem belos registros da abertura
  • VILA DOS ATLETAS: Maior parte dos apartamentos está vazios
  • LINHA 4: Obras do metrô seguem interrompidas por causa de risco estrutural

 

Custo das Olimpíadas do Rio — Foto: Arte G1

Custo das Olimpíadas do Rio — Foto: Arte G1

‘Largado olímpico’

 

Comissão de Esportes da Câmara Municipal do Rio tem feito inspeções para acompanhar o legado desde 2017. Ao G1, o presidente do grupo, o vereador Felipe Michel (PP), afirmou que observou um “largado olímpico” e abandono das instalações esportivas.

“Já em 2017, a gente observou um largado olímpico (…) Faltou planejamento. A prefeitura da cidade do Rio de Janeiro pensou nas Olimpíadas, nas grandes obras, mas esqueceu de deixar um planejamento para um legado olímpico para nossas crianças, nossos jovens e atletas. Faltou botar a mão na massa e pensar de fato num legado olímpico”, afirmou o vereador.

 

G1 procurou o prefeito Eduardo Paes — que administrava a cidade na época dos jogos e voltou ao comando da gestão municipal em 2018 – para uma entrevista. No entanto, a prefeitura se manifestou através de seus secretários.

O secretário municipal de Esportes do Rio, Guilherme Schleder, afirmou que licitações estão sendo realizadas para, finalmente, finalizar o legado. Apesar disso, ele lamentou a situação pós-Olimpíada.

“É frustrante o que aconteceu do legado, mas não tem nada que tenha sido perdido, que tenha sido jogado fora e que tenha estragado não”, disse o secretário

 

A secretária municipal de Infraestrutura, Katia Souza, participou do projeto olímpico desde a montagem das arenas. Ela afirmou que a entrega do legado é uma demanda de Eduardo Paes no seu retorno para a Prefeitura do Rio.

“Não é fácil, é um desafio para a gente, mas a gente pretende realmente entregar finalmente esse legado” (…) “A gente levou um tempo ainda desenvolvendo esse projeto para caber, porque a gente tinha que abaixar esse custo. Se não, ficaria muito caro”, disse.

Investigação de corrupção

 

Os bastidores da Rio 2016 também envolvem suspeitas de irregularidades desde a compra de votos para a escolha da cidade como sede dos jogos até fraude em licitações de obras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui