Câmara não aprova anulação de áreas doadas para sindicato e igreja

A tentativa do prefeito Marquinhos Trad (PSD) de revogar doação de área pública para igreja católica e sindicato foi frustrada, pelo menos até agora. É que projeto que anulava a doação feita em 2015 pelo então prefeito Gilmar Olarte (PP) foi submetido a votação de vereadores, nesta terça-feira (24), e teve 15 votos favoráveis, quando o necessário eram 20.

O projeto encaminhado pelo Executivo para a Câmara pedia a revogação da doação da área em razão de erro em medição do terreno, que seria repassado para o Setlog ((Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de MS) e para a Arquidiocese de Campo Grande. A área está localizada no bairro Chácara Cachoeira.

O anúncio de que o terreno seria retomado aconteceu mês passado e gerou acordos entre o sindicato, a igreja e a prefeitura, que garantiu doar outra área para a igreja.

Nesta terça, no entanto, o caso que teria, enfim, um desfecho, continua um impasse. Mobilização da bancada tucana na Câmara fez com que o Executivo não conquistasse os 20 votos necessários para que a revogação do projeto fosse aprovada.

A justificativa da maioria dos 15 vereadores que votaram pela derrubada do projeto era que não poderiam desrespeitar a legislatura passada, que aprovou a doação depois que o então prefeito encaminhou projeto.

Vereador André Salineiro (PSDB) e Eduardo Romero (Rede) chegaram a afirmar que outro projeto sobre doação de área, dentro do programa Prodes, também possui erro de medição, no entanto, neste caso, o prefeito teria optado apenas em corrigir o projeto e não em revogar.

Nas últimas vezes em que comentou sobre o assunto, o prefeito Marquinhos disse que o cancelamento da doação de área seria uma questão a ser revolvida no judiciário.