Câmara e entidades discutem políticas para ampliar acesso do jovem ao primeiro emprego

Vereadores e representantes de entidades promotoras de políticas públicas para a juventude refenderam, durante audiência pública nesta quinta-feira (16), a ampliação de programas que facilitem o acesso dos jovens ao primeiro emprego. O debate foi proposto pelo vereador Betinho, presidente da Comissão Permanente de Assistência Social e do Idoso, composto ainda pelos vereadores Enfermeira Cida Amaral (vice-presidente), Valdir Gomes, Pastor Jeremias Flores e Dr. Loester.

“Sou assistente social de formação. Em 1996, fui aluno do Instituto Mirim. Eu luto tanto por isso, pela juventude, que nosso objetivo é ver, um dia, vocês sendo protagonistas da história. Que vocês tenham assento nesse parlamento. Hoje, sou eu. Amanhã, pode ser cada um de vocês”, disse o vereador Betinho. “Nosso objetivo é debater e propor melhorias para nossa juventude”, continuou o parlamentar, falando para uma plateia repleta de jovens do Instituto Mirim.

O objetivo da audiência foi reunir instituições que garantem oportunidade para os jovens, principalmente na faixa etária de 14 a 16 anos, quando atuam na condição de aprendiz para propor novas parcerias ou ampliar as ações. “Queremos fomentar mais campo de trabalho. Teremos várias instituições para discutirmos quais leis ou políticas públicas podemos gerar para ampliar espaço de trabalho para eles, é uma preocupação que temos”, disse o vereador Betinho.

Segundo a Superintendente de Programas e Projetos do Instituto Mirim, Jucelma Rocha, mais do que reivindicar direitos, é importante operacionalizá-los. “A iniciativa de vocês [alunos] estarem aqui representa a atitude dos nossos jovens em busca pelo protagonismo. Essa iniciativa do Betinho impacta muito na vida de vocês. Nós operamos projetos que viabilizam não só o conhecimento, mas o acesso ao mundo do trabalho”, afirmou.

Para a diretora regional da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Katia Almeida, o processo comunicativo do jovem é determinante para sua inserção no mercado de trabalho. “Às vezes, a questão não é a competência do jovem. É a oportunidade e o desenvolvimento de comunicação que ele estabelece, e que vai ser um marco para o final da vida dele. Ou seja: determinante na sua carreira e na sua opção de vida. Em nossa página na internet, temos artigos falando sobre primeiro emprego. Nossa instituição vem crescendo por conta desse trabalho que desenvolvemos junto às empresas parceiras”, disse.

Já o subsecretário de Políticas para a Juventude de Mato Grosso do Sul, Yan Leal, lembrou que a classe empresarial precisa valorizar o jovem qualificado. “No Estado, nos 79 municípios, temos 600 vagas de trabalho cadastradas na Funtrab. É muita vaga. Sabe qual o problema? Temos mais de mil pessoas cadastradas em busca de emprego. Às vezes, a vaga não coincide com o perfil da pessoa. O Brasil tem muito jovem que não trabalha, nem estuda. Será que estamos conseguindo atender nosso jovem?”, questionou.

O superintendente do IEL (Instituto Euvaldo Lodi), José Fernando Gomes do Amaral, destacou a importância da inserção do jovem no mercado de trabalho. “Esse ano vamos colocar no mercado de trabalho 5 mil jovens. Isso muda a vida de toda a família. É gratificante conduzir o IEL. O jovem é o CEO da sua carreira. Você faz o que quiser, tem força para isso, mas tem que ter dedicação. As vagas estão aí, esperando vocês de braços abertos”, avisou.

Por fim, a vereadora Enfermeira Cida Amaral defendeu, também, investimentos na educação básica e fez um apelo aos jovens. “Os jovens vão atrás do que há de melhor, é uma questão de tempo. Precisamos rever nossa educação básica. No meu primeiro emprego, fui substituir uma secretária em um hospital. Comecei fazer minha faculdade aos 25 anos, já madura. Quero fazer um pedido para vocês: não parem de estudar. O estudo no enobrece. Estudem por você, não estudem por estudar. Quebrem alguns paradigmas, não tenham medo”, disse.