Bombeiros controlam incêndio florestal em Bonito e continuam em monitoramento na região

Após quatro dias de atuação, o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul conseguiu controlar e extinguir o incêndio florestal na área conhecida como “Banhado” em Bonito. O trabalho teve início na segunda-feira (18) e no fim da tarde de ontem (21), as chamas foram controladas.

O governador Eduardo Riedel avaliou que a contenção das chamas foi resultado de um trabalho árduo e de investimentos públicos. “A resposta rápida do Corpo de Bombeiros, com apoio da Polícia Militar Ambiental, e uso Grupamento de Operações Aéreas, além dos militares atuando dentro do rio Formoso, foram fundamentais para controlar o incêndio por terra, água e ar. O resultado das ações são fruto de investimentos constantes na valorização dos agentes públicos, na capacitação e em equipamentos de ponta para atuação no combate a incêndios”, frisou o governador Eduardo Riedel.

A rápida resposta garantiu a proteção da mata ciliar do Rio Formoso, um dos principais da região e que fica próximo ao local do incêndio. “Observamos uma cicatriz de queima naquela região, de aproximadamente 500 hectares. Nossas técnicas e táticas empregadas evitaram que o incêndio se propagasse pelas laterais e ultrapassasse as margens do rio formoso protegendo suas matas ciliares. O incêndio ficou confinado na região do Banhado”, explicou a tenente-coronel Tatiane Inoue, chefe do CPA (Centro de Proteção Ambiental).

Os bombeiros atuam na Operação Pantanal 2023, desde o mês de julho, e nesta temporada já trabalharam em combates significativos, especialmente em diferentes áreas do Pantanal – como no Nabileque, Forte Coimbra, Salobra e Paiaguás.

Em Bonito, o trabalho foi realizado por terra, água e ar, com apoio da Polícia Militar Ambiental, em quatro frentes. Seis caminhonetes com equipamentos específicos que auxiliam o combate, uma viatura tipo tanque com capacidade de 7 mil litros d’água e duas aeronaves, foram empregadas na região. Barcos de apoio com militares atuando dentro do rio também foram usados para que pudessem afunilar a área em chamas e iniciar o combate aéreo.

“Conseguimos controlar o incêndio, mas estamos em monitoramento. Pois na região, tem previsão de altas temperaturas, e com a velocidade do vento alta e a baixa umidade relativa do ar, pode dar reignição”, explicou a tenente-coronel Tatiane.

Durante a madrugada de quinta-feira, as equipes, que contam com 48 militares, intensificaram a operação para conter a área de fogo. No início da tarde, a operação recebeu o reforço do Grupamento de Operações Aéreas.

“Desde segunda-feira (18) nós estamos empregando técnicas e táticas para o combate a este incêndio. Somos 48 militares e no quarto dia conseguimos controlar os dois focos ativos existentes na região”, disse a chefe do CPA.

Guarnições de Bonito, Aquidauana, Corumbá e Campo Grande, além do staff de comando da operação do CPA, auxiliam no combate aos incêndios de grandes proporções.

A característica do banhado, semelhante a um pântano, facilita a propagação das chamas, não sendo possível determinar uma direção exata, o que dificultou o combate, além da dificuldade de acesso ao local, visto que se trata de uma área de brejo. A Prefeitura de Bonito informou que nenhuma propriedade foi atingida.

Desde o dia 17 de julho, o Corpo de Bombeiros Militar de MS está em alerta para atuar em caso de incêndios florestais no Pantanal, e também no Cerrado e Mata Atlântica, biomas presentes no Estado.

Com o alerta, publicado pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), foram suspensas as autorizações ambientais de “queima controlada”, até 31 de dezembro deste ano. Na prática, o período é de cautela e monitoramento constante. O que possibilita a pronta atuação das equipes a postos em diferentes regiões do Estado, nas ocorrências como os três atendimentos atuais de combate a incêndios.

Natalia Yahn, Comunicação Governo de MS

Fotos: Centro de Proteção Ambiental/CBM-MS

FonteGoverno MS