Bolsonaro diz que Mourão ‘por vezes atrapalha’, mas ‘tem que aturar’

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (26) que o vice-presidente Hamilton Mourão “por vezes atrapalha”, mas que vice-presidente é igual a “cunhado”, que “você casa e tem que aturar”.

Bolsonaro deu a declaração ao conceder entrevista à rádio Arapuan (PB). Durante a entrevista, o presidente foi questionado sobre como será a escolha para o candidato a vice-presidente em 2022. Respondeu, então, que a escolha por Mourão em 2018 foi “a toque de caixa”.

“O Mourão faz o teu trabalho. Ele tem um independência muito grande, por vezes atrapalha um pouco a gente, mas o vice é igual cunhado: você casa e tem que aturar o cunhado do teu lado. Você não pode mandar o cunhado ir embora. Então, estamos com o Mourão sem grandes problemas, mas o cargo dele é muito importante para agregar. Dele, não, o cargo de vice é muito importante para agregar simpatias”, declarou Bolsonaro.

G1 procurou a assessoria de Mourão e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Nos últimos meses, o vice-presidente manifestou publicamente algumas divergências em relação a declarações de Bolsonaro.

O presidente da República já chegou a afirmar, por exemplo, que pode não haver eleições no Brasil em 2022 se não houver voto impresso. Mourão, por sua vez, diz que o país não é “república de banana” e que haverá eleição mesmo sem voto impresso.

Além disso, Bolsonaro passou a dizer que é do Centrão, grupo informal de partidos que integra a base de apoio do governo. O presidente, no entanto, costumava criticar o bloco, e Mourão afirma que os eleitores de Bolsonaro podem se sentir “um pouco confundidos” em relação a isso.

‘Sinto falta’

 

Em junho deste ano, Mourão afirmou em entrevista que sente “falta” de participar de reuniões com Bolsonaro e ministros do governo (relembre no vídeo acima).

Na ocasião, Bolsonaro havia se reunido com ministros, e Mourão foi questionado se também havia sido chamado para o encontro.

“Não, não fui convidado”, respondeu o vice. Questionado, então, se sente falta de participar desse tipo de reunião, respondeu: “Sim, sinto falta. Sinto falta. A gente fica sem saber o que está acontecendo.”

“É importante que a gente saiba o que está acontecendo, né? Paciência, né? C’est la vie [é a vida], como dizem os franceses”, acrescentou à época.