Bolsonaro critica Witzel por gravação de telefonema a Mourão pedindo envio de água potável ao Norte e ao Noroeste do estado

O presidente Jair  Bolsonaro criticou, nesta segunda-feira, o governador do Rio, Wilson Witzel, pela gravação de um telefonema feito ao vice-presidente Hamilton Mourão para pedir apoio ao envio de água potável às áreas atingidas pelas chuvas no Norte e Noroeste do estado. A conversa foi filmada por um assessor de Witzel e publicada na conta do governador no Twitter.

— Pelas imagens, ele está no seu carro e um assessor filma. E ele liga para o presidente em exercício. Acho que não é usual alguém fazer isso. Eu não gostaria que fizessem comigo qual seja o assunto. O que se trata por telefone tem que ser reservado — disse Bolsonaro.

A crítica foi feita no último dia da visita de Bolsonaro à Índia, em que o presidente participou de um encontro com empresários dos dois países. Em seu discurso, o presidente lembrou sua campanha, afirmando que “fizeram de tudo para me tirar de combate”, e que seu governo está recuperando a confiança do mundo no Brasil. Em seguida, em uma breve conversa com jornalistas, ele trocou a palavra confiança por “consciência”:

— O Brasil recupera a sua consciência no mundo, e um futuro promissor nos aguarda. Estou muito feliz com essa passagem por aqui, muito honrado de ser convidado para participar da solenidade da data da República e nós estamos agora praticamente encerrando a nossa missão aqui na Índia e voltando agora para o Brasil com boas notícias.

Confira a conversa entre Witzel e Mourão:

Senhor presidente, boa tarde!

Boa tarde, governador, tudo bem?

Tudo bem! Presidente, estou aqui em Porciúncula, uma região muito afetada, Porciúncula, a região de Itaperuna…

Estamos cientes, estamos cientes, governador.

O maior problema, agora, presidente, é água. Estou com uma grande quantidade de água lá no Rio de Janeiro e precisava trazer para cá. E, realmente, a população aqui de Porciúncula é de 15 mil pessoas sem água. Estou indo para uma outra região daqui, Bom Jesus (de Itabapoana), também sem água porque as bombas da Cedae estão submersas, está a metade da cidade submersa. Nós já pedimos para o Ministério da Defesa para fazer o protocolo e aí estou passando para o senhor essa nossa necessidade.

Vou falar com o ministro Fernando para intensificar isso aí. O ministro Canuto está lá em Minas Gerais e no Espírito Santo. Aí, qualquer coisa a gente apoia mais alguma coisa aí no Rio de Janeiro, governador. Fica tranquilo.

Obrigado, presidente! Vou avisar os prefeitos que estão aqui comigo. Vou comunicar a eles. Obrigado! Agradeço o apoio do senhor e da União!