‘Bioparque Pantanal’: maior esquema de desvios públicos de MS

Com a expectativa de unir cultura, turismo e conhecimento, o maior complexo de água doce do mundo, o Bioparque Pantanal, foi entregue a população de Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (28). O parque das Nações Indígenas passa a abrigar o maior aquário de água doce do mundo, com quase 5 milhões de litros de água. Assista ao vídeo acima.

Bioparque do Pantanal conta com vários tanques de água doce.  — Foto: Renata Fontoura

Bioparque do Pantanal conta com vários tanques de água doce. — Foto: Renata Fontoura

As visitações do público em geral terá início no dia 1º de maio e os primeiros 30 dias após a inauguração serão de treinamento para a equipe do bioparque, com agendas internas e institucionais. A visitação será gratuita até o último dia do ano e a capacidade diária será de 300 pessoas, 150 pela manhã e 150 à tarde.

Com vários tanques, Bioparque do Pantanal é o maior aquário de água doce.  — Foto: Renata Fontoura

Com vários tanques, Bioparque do Pantanal é o maior aquário de água doce. — Foto: Renata Fontoura

Passeio

 

O principal atrativo do Bioparque Pantanal é o circuito que forma o maior aquário de água doce do mundo, onde o visitante terá contato com as principais espécies de peixes do Pantanal e dos 5 continentes. A cenografia dos 33 tanques é de autoria do artista plástico, cenógrafo e ambientalista, Roberto Alves Gallo, que reproduz os ambientes de forma fiel.

Cenografia está presente em todos os atrativos.  — Foto: Renata Fontoura

Cenografia está presente em todos os atrativos. — Foto: Renata Fontoura

Os animais típicos do Pantanal como jacarés, sucuris e vários peixes compõe o ambiente aberto ao público. Uma passarela ainda na área externa conduz ao mirante de contemplação de aves e outros animais em seu habitat natural, o Parque das Nações Indígenas.

O Bioparque Pantanal conta com inúmeras espécies da fauna pantaneira, como uma sucuri.  — Foto: Renata Fontoura

O Bioparque Pantanal conta com inúmeras espécies da fauna pantaneira, como uma sucuri. — Foto: Renata Fontoura

Além da visitação, o Bioparque vai oferecer uma experiência que une educação, pesquisa e conservação, promovendo projetos de pesquisa e conservação de espécies, valorizando o bem-estar dos animais e orientando seus visitantes pela educação ambiental.

Visitas

 

Visitantes poderão andar em túnel "em meio" às águas.  — Foto: Renata Fontoura

Visitantes poderão andar em túnel “em meio” às águas. — Foto: Renata Fontoura

O local é considerado o maior laboratório de peixes pantaneiros do mundo, com 150 tanques ativos que abrigam 230 espécies de peixes neotropicais, 135 espécies pantaneiras, além de 55 da Amazônia, 14 espécies africanas e outras da Oceania, Ásia e da América Central.

A diretora do Bioparque Pantanal, Maria Fernanda Balestieri, comentou que a visitação aberta ao público terá início de forma gratuita e será usada como treinamento.