Auditoria aponta quase 3 mil cadastros irregulares no Bolsa Família

O prefeito Marquinhos Trad disse que a minoria dos beneficiários cortados buscou a secretaria, provando que as pessoas sabiam que estavam irregulares (Foto: Divulgação/PMCG)

Realizada a pedido do MPF (Ministério Público Federal), auditoria no Bolsa Família, em Campo Grande, apurou 2.605 beneficiários já estavam com o benefício bloqueado ou cancelado pelo Governo Federal e outros 228 são moradores de outros municípios. Apenas 1.217 cadastrados, de um universo de 3.583 denúncias foram atualizados na Capital.

O pedido ainda se deve a uma ação maior do MDSA (Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário), que realizou cruzamento de dados do Programa Bolsa Família no ano de 2016 e encontrou inconsistências nas informações de diversos cadastros.

Ao todo 3.355 famílias receberam a visita do grupo de trabalho interinstitucional. As visitam aconteceram durante 60 dias, tendo o envolvimento de cerca de 60 profissionais, entre psicólogos, assistentes sociais, agentes cadastradores, assistentes administrativos, motorista, entre outros.

Para o prefeito Marquinhos Trad, a ação é importante por corrigir injustiças. “Se há algo que incomoda nesta vida é a injustiça. E como pode no meio de algumas pessoas ter um número tão grande de famílias que recebiam o beneficio sem necessidade para isso, enquanto outras que precisam não conseguem. Dos beneficiários cortados, minoria buscou a secretaria, provando que as pessoas sabiam que estavam irregulares”, afirmou.

Já a secretária municipal de Assistência Social, Maria Angélica Fontanari, enfatizou que o trabalho feito pela equipe da SAS atingiu a meta estabelecida no prazo estipulado. “Isso foi um grande desafio para nós. Mas, cumprimos a determinação do MP com mérito. Por meio da superintendência da Proteção Social Básica foi desenvolvido estratégias para atender toda a demanda e a equipe se manteve empenhada em toda a jornada trazendo esse excelente resultado”, afirmou.

Iniciado no dia 3 de abril, o trabalho de verificação foi realizado com base em estratégias de filtro da lista para endereçamento; equipes distribuídas por regiões; confecção de relatório padrão; reunião de coordenadores das unidades da proteção Social Básica para definir os servidores que serão remanejados para compor a equipe técnica; treinamento da equipe técnica e agente cadastrador; parcerias com todas as superintendências e 15 equipes que se concentrarão na Superintendência e Gerência de Gestão do Cadastro Único.

Bolsa Família – O Programa Bolsa Família transfere recursos federais para famílias pobres e extremamente pobres, inscritas no Cadastro Único. No mês de maio de 2017, 25.509 famílias foram beneficiadas, representando uma cobertura de 86,4 % da estimativa de famílias pobres no município.

O Cadastro Único para Programas Sociais reúne informações socioeconômicas das famílias brasileiras de baixa renda – aquelas com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa. Essas informações permitem ao governo conhecer as reais condições de vida da população e a partir dessas informações, selecionar as famílias para diversos programas sociais.

Fonte: www.campograndenews.com.br (Lucas Junot)