Após 15 anos no comando da seleção do Uruguai, Oscar Tábarez é demitido do cargo

Fim de uma era na seleção uruguaia. Em 15 anos no comando da equipe, nunca o técnico Óscar Tabárez esteve tão ameaçado de demissão quanto nas últimas semanas. E ela foi confirmada oficialmente na tarde desta sexta-feira. O treinador de 74 anos não resistiu às derrotas recentes para Bolívia e Argentina nas Eliminatórias. A Celeste está em 6º lugar, fora da zona de classificação para a Copa do Mundo neste momento.

Agora, a Associação Uruguaia de Futebol vai atrás de um novo técnico para a reta final das Eliminatórias, ainda acreditando em uma classificação para o Mundial do Qatar. O nome de Diego Aguirre, atual comandante do Internacional, é um dos cotados pela imprensa do país para assumir a equipe.

A trajetória de Tabárez como técnico da seleção uruguaia teve duas etapas e foi a segunda — e atual — onde teve mais sucesso. Atualmente, aos 74 anos, é o treinador que mais jogos dirigiu à seleção em toda a história, e o treinador com mais jogos dirigidos a uma mesma equipe no mundo.

Esteve presente em sete Copas Américas, nas edições de 1989, 2007, 2011, 2015, 2016, 2019 e 2021. Em 2011, na edição que foi sediada pela Argentina, Celeste sagrou-se campeã.

Tabárez também acompanhou a seleção nacional em quatro Copas do Mundo: na Itália 1990 (oitavas de final), África do Sul 2010 (quarto colocado), Brasil 2014 (oitavas de final) e Rússia 2018 (quartas de final).

Recentemente, Tabárez foi defendido pelos jogadores uruguaios. Luis Suárez,  o maior artilheiro da história da seleção, lembrou que nunca foi comandado por outro treinador.

— Quando cheguei na a seleção em 2007, o Uruguai tinha ficado fora da Copa do Mundo de 2006. Em 2002, nos classificamos na repescagem e a verdade é que não me lembro qual foi a última antes disso. Hoje estamos em uma situação em que fomos às últimas três Copas do Mundo. Você tem que ver o lado positivo. Nas eliminatórias anteriores, nos classificamos algumas datas antes e é por isso que digo que as pessoas ficaram um pouco mal acostumadas — disse Suárez.

O zagueiro Giménez, de 26 anos, também reforçaram a defesa do Maestro. O defensor do Atlético de Madrid foi ainda mais contundente.

— O futebol não tem memória. As pessoas sabem os jogadores da seleção pensam do Maestro.Ele foi o pai da carreira de 99,9% dos jogadores. É (pai da carreira) para mim, e momentos assim são duros, difíceis, mas são coisas que acontecem, você tem que ver, aceitar e seguir em frente —  reiterou.